O exercício para se conhecer melhor

Cada vez mais na moda, o yôga é uma das técnicas mais antigas de exercício

Linda Tomelin – linda.periodo6@gmail.com

Nos dias de hoje, em que o estresse toma conta das pessoas numa corrida contra o tempo, o yôga pode ser uma alternativa para quem busca equilíbrio interior e qualidade de vida. Originada na Índia, essa antiga filosofia conquista novos adeptos nas salas de ginástica em São Bento do Sul. Com o objetivo de unir corpo e mente através de exercícios de relaxamento e respiração, o yôga proporciona um desenvolvimento da flexibilidade e um profundo relaxamento.

“O yôga me deixa mais calma e consigo resolver os desafios do dia-a-dia com mais tranquilidade”, garante Camila Souza Linhares, 28 anos, praticante há cinco anos. Ela confessa que era muito agitada e explosiva. Como nunca gostou de musculação procurou um exercício que ao mesmo tempo fortalecesse a musculatura e proporcionasse um relaxamento mental. Camila afirma que a persistência deve fazer parte da rotina de quem busca no yôga uma melhora para o corpo e mente. “Alguns benefícios do yôga são visíveis imediatamente, outros apenas com o tempo”.

Elisângela Macedo, 51 anos, professora de yôga, explica que para sentir os benefícios do exercício deve-se praticá-lo no mínimo três vezes por semana. Depois de seis meses de prática é perceptível a melhora. “No aspecto físico, a evolução consiste na consciência corporal, fortalecimento e relaxamento muscular, melhora da circulação sanguínea, melhora na postura e aumento da flexibilidade”. Elisângela, que prática a técnica há 20 anos, afirma que, na parte psicológica e emocional, acontece uma redução do estresse, da depressão e da ansiedade.

Para a psicóloga, Eliani Veiga Schultz, 32 anos, o grande problema do mundo contemporâneo é que ninguém dá atenção aos seus chamados internos e isso acaba desencadeando uma ansiedade coletiva. A terapeuta analisa que todo o trabalho que proporcione um auto-conhecimento ao ser humano deve ser incentivado. “A partir do momento que paramos para entrar em contato com o nosso interior temos a sensação de bem-estar e felicidade”.

Ouça aqui a entrevista com a psicóloga com especialização em Yôga, Ivete Maria Hilgenstieler

Segundo a professora de educação física, com especialização em yôga, Vivian Ferreira, 42 anos, existem seis tipos Yôga:

Hatha Yôga: O mais comum dos exercícios. O relaxamento e alongamento se foca em trabalhar mente e espírito por meio do corpo. Apesar de não haver um aprofundamento teórico este exercício foi o que mais gerou ramificações e estilos.

Ashtanga Yôga: Criado a partir do Hatha, o exercício trabalha seis séries fixas. Os alunos que vão tento uma maior flexibilidade e força no corpo e concentração na mente, vão passando para a outra série sucessivamente.

Iyengar Yôga: Também vindo do Hatha, o exercício tenta despertar no indivíduo emoções interiores esquecidas. Trabalha bastante a parte muscular do corpo.

Power Yôga: Os praticantes combinam movimentos corporais vigorosos com uma respiração dinâmica. Além das posturas do yôga e demais movimentos que são acrescentados durante a aula.

Kundalini Yôga: Busca o despertar da energia na base da coluna, no primeiro chacra e expande para todo o corpo em conjunto com a concentração do praticante.

Raja Yôga: Meditação define essa prática. A preocupação maior é com o desenvolvimento espiritual, e não físico, de quem pratica o exercício.

História do Yôga no Brasil (http://www.uni-yoga.org.br/_v2/index.php?notenc&p=8)

Anúncios