Sites de serviços facilitam a vida do cidadão joinvilense

Emissão de B.O, impressão de faturas e consulta à dividas são algumas das facilidades proporcionadas por sites

Camila Prochnow – prochnow.camila@gmail.com

Digite algumas palavras chaves no Google. A partir daí um universo de muitas opções se abrirá na tela do computador. É assim que sites disponibilizam vários serviços ao cidadão de Joinville com acesso à internet. Com apenas um clique é possível emitir um boletim de ocorrência, a segunda via da fatura do telefone, ou ainda consultar o seu saldo de multas de trânsito. Só a página da Prefeitura Municipal da cidade já tem diversos links que levam a muitos outros endereços de órgãos joinvilenses. Seinfra, Conurb e Ippuj são algumas das instituições lincadas no site.

A tarefa de dirigir-se à delegacia mais próxima, às vezes não tão próxima assim, para emitir um boletim de ocorrência após um acidente de trânsito pode ser bem mais simples. Na página do 8º Batalhão da Polícia Militar de Joinville escorregando o mouse para o tópico de taxas pode-se emitir uma cópia de um boletim de ocorrência sem nenhuma complicação.

Já na página da Secretaria de Infra Estrutura Urbana (Seinfra) o internauta pode consultar o processo nos alvarás de construção e localização. Além disso, o contribuinte tem condições de informar-se sobre quais são as obras em andamento na cidade, aquelas concluídas, bem como as ruas que foram recentemente pavimentadas.

No portal da Celesc quando visitado o link de serviços que leva ao acesso das faturas, pode-se retirar a segunda via de fatura da conta e o facilidade aumenta quando há a opção do pagamento pela internet. Informações como indenizações de danos em equipamentos, taxa de iluminação pública e taxa de serviços também estão na web.

A Companhia de Saneamento Básico Águas de Joinville também oferece um site bem estruturado. Tendo em mãos o número da matrícula da conta de água, o usuário tem acesso às suas faturas pagas, débitos pendentes, faturas a vencer e a leitura do consumo.

Quando o assunto é telefonia fixa a página da Brasil Telecom tem espaço dedicado ao cliente: no menu “Sua Conta”, depois de efetuar um cadastro no site, o usuário pode gerenciar sua conta visualizando gráficos de consumo, por exemplo. Uma das formas de pagamento é on line. Quem preferir pode optar pela emissão do boleto no site ou ainda pelo débito automático. As solicitações de conta por e-mail ou alterações de data de vencimento também são completamente virtuais.

Apesar de configurar-se como uma página repleta de informações o site da Prefeitura Municipal de Joinville poderia facilitar mais a vida dos joinvilenses. O portal se encarrega de levar a outros links de órgão municipais e acaba apresentando poucos serviços ao cidadão. Em comparação com o site da Prefeitura de Florianópolis, por exemplo, o site de Joinville perde pontos quando não propicia a impressão de taxas como o IPTU. Ainda, as informações hospedadas no site são mal organizadas e a navegação não é muito fácil.

Sites de candidatos ampliam relação com eleitorado

Durante as campanhas eleitorais, os prefeituráveis aproveitam os recursos da Internet para divulgar suas propostas e entrar em contato com o eleitor.

Tatiane Martins – thaty_martins@hotmail.com

No dia 5 de outubro, mais de 340 mil eleitores foram às urnas escolher o novo prefeito de Joinville entre os sete candidatos que estavam na disputa. Muitos fatores foram decisivos para os cidadãos definirem o voto. As propostas e a seriedade dos concorrentes fizeram a diferença na hora da escolha. Nesse processo, o apoio de uma mídia digital pode ser um suporte estratégico para conquistar os eleitores e estabelecer uma relação mais próxima com as pessoas.

Cinco dos prefeituráveis desenvolveram uma página virtual, onde concentraram todo tipo de informação sobre a campanha. Sem exceção, todos os sites apresentavam uma biografia sobre o candidato e seu vice, o plano de governo focado nas propostas mais importantes. Além da agenda com os compromissos e notícias que envolviam os políticos. Segundo Eduardo Dalbosco, coordenador geral da campanha de Carlito Merss (PT), a internet promove uma divulgação mais intensa de informações. “Tudo o que acontece durante a campanha entra no site e o eleitor acessa a qualquer hora. É uma relação mais transparente”, afirma.

Na interface digital, as campanhas aproveitaram também toda a interatividade e recursos que a Internet disponibiliza: enquetes, áudios, vídeos. As propagandas eleitorais também ficaram disponíveis. Os jingles e fotos podiam ser baixados por internautas, para virarem toques de celular e papel de parede de computador. Para Thiago Brizola, assessor de imprensa de Rodrigo Bornholdt (PDT), “o site possibilita um contato mais próximo do cidadão e da sua necessidade”.

As normas de utilização dos sites pelos partidos estão regularizadas pela Resolução n° 22.178 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Para as eleições municipais deste ano, a propaganda eleitoral estava liberada desde 6 de julho. O TSE determinou que a página virtual dos candidatos poderia ficar no ar até a antevéspera da eleição, dia 3 de outubro.

Os sites são de total responsabilidade dos seus gestores e devem atender ao padrão http://www.nomedocandidatonumerodocandidato.can.br. O registro do domínio é gratuito, mas é o candidato quem paga pelos custos de criação, hospedagem e manutenção, que giram em torno de R$ 200, para os três meses de campanha. Se o político desejar criar o próprio domínio, com terminação que não seja can.br, deverá fazê-lo diretamente com órgão gestor (www.registro.br).