Na internet o rádio é sem fronteiras

Nas plataformas digitais, o rádio de Joinville atinge número ilimitados de ouvintes que têm a possibilidade de interagir diretamente na programação.

Linda Tomelin – linda@fm89.com.br

Com o advento da tecnologia, o rádio tem procurado se adaptar para conquistar ouvintes multimídia. O que parecia uma ameaça, tornou-se um aliado. O surgimento da internet, com suas facilidades musicais, gerou muitas especulações sobre o fim do rádio. Porém, as rádios conquistaram seu espaço e a fidelidade de internautas e ouvintes de todos os continentes. Sem o ambiente digital isso não seria possível.

Em Joinville, segundo o presidente do sindicato dos radialistas, José Eli Francisco, 65 anos, há cinco rádios FM: Atlântida, Colon, Floresta Negra, Jovem Pan e Itapema. As cinco emissoras têm portal na internet e disponibilizam aos ouvintes internautas a rádio online.

A Colon FM tem seu site desde 2005. Além da rádio online, o portal tem a história da emissora, programação, links de fotos e vídeos; em que, curiosamente, não há vídeos. A interação com o internauta se dá em quatro possibilidades: peça sua música, mural (as mensagens postadas ficam expostas), enquete – avaliando a programação (boa, ótima ou excelente) e entre em contato. A página tem o link para adicionar o ouvinte ao msn da emissora e a comunidade do orkut. Para João Carlos Duriex, 49 anos, coordenador artístico da Colon FM, o site permite uma maior proximidade da rádio com o ouvinte.

No site da Floresta Negra o que chama atenção é o link de publicidade é uma maneira de vender espaço que tem riscos, na avaliação de Augusto Almeida, 32 anos, formado em sistemas de informação.”A poluição visual em um site pode ser sinônimo de poucos acessos, a página deve saber equilibrar propaganda e atrativos de uma forma que não canse quem estiver navegando”, comenta o analista de sistemas.

Além da mesma interação que a Colon oferece, a Floresta Negra também disponibiliza notícias em tempo real (feitas pelo núcleo de jornalismo), o link de busca, Newsletter (para receber as novidades por e-mail) e um blog de Ana Paula Peixer. A rádio online é acessada diariamente por 300 internautas que segundo Rejane Gambin, 41 anos, gerente de jornalismo, são de todos os cantos do planeta. “Temos ouvintes de Portugal, Japão, Alemanha e África. Só a internet para propor essa acessibilidade”, garante.

Para rádio ser acessada via internet é utilizado streaming de áudio (pacote de informação que é enviado para cada ouvinte que se linkar). Cleber Luiz Fiorentin, 47 anos, gerente da Microum – empresa que vende o programa, cobra R$ 1 mil pela implantação e desenvolvimento do player. Para Fiorentin, a internet proporcionou uma revolução para o meio rádio. “As rádios online estão democratizando a maneira de fazer rádio, e o acesso a elas está cada vez mais comum e facilitado”.

Anúncios

Venda de ingressos pela web não atrai joinvilenses

Internautas de Joinville ainda não se acostumaram com a compra online de ingressos

Eva Croll – eva.croll@gmail.com

Prática, cômoda, e ainda ajuda a garantir um lugar para conferir de perto aquele evento cultural que você tanto gosta. Assim é a venda de ingressos online, ferramenta que tem sido utilizada cada vez mais pelas empresas de entretenimento. Em Joinville, no entanto, quem aprecia cultura ainda não se sente completamente seguro em adquirir um ingresso através de um clique na tela do computador.

Das duas empresas que mantêm os cinemas da cidade, apenas uma oferece essa facilidade a seus clientes: a GNC Cinemas, do shopping Mueller, que tem parceria com a empresa Ingresso.com. A Arcoíris Cinemas, responsável pelas salas do shopping Cidade das Flores, ainda cogita essa possibilidade. Isso porque, segundo Mário Filho, auxiliar administrativo da Arcoíris, a demanda por esse serviço na cidade de Joinville não justificaria o investimento que terá que ser feito no site.

Para vender ingressos pela internet, a empresa precisa equipar o site com mais recursos de segurança, já que os clientes precisarão fornecer dados confidenciais, como números de contas e cartões de crédito. Além disso, haverá a taxa cobrada pelas operadoras desses cartões. Assim, a venda online acabaria aumentando o valor do ingresso. “É uma ferramenta interessante, tem muitas vantagens, mas são poucos os que usam”, argumenta. Dentre as vantagens, Mário destacou a possibilidade de a pessoa escolher a poltrona onde quer sentar. Mas, para isso, o cliente teria que desembolsar um pouco mais do que o preço cobrado nos postos de venda.

A Arcoíris Cinemas ainda não oferece esse serviço para nenhuma região em que possui salas de exibição. São cidades como Porto Alegre, Florianópolis e Fortaleza, onde há superlotação de sessões, que fazem a empresa cogitar a implantação desse serviço, esclarece Mário Filho. Não é o caso de Joinville, que apresenta um movimento baixo se comparado ao das capitais.

A empresária Adriana Cristina Kinas, de 38 anos, adora assistir a peças de teatro, shows musicais e apreciar exposições de arte. Por isso, ela costuma utilizar o site do Ingresso Rápido para ficar por dentro das atividades culturais que acontecem em Joinville. “Ainda não comprei ingressos pela internet, mas já adquiri livros e DVDs, e nunca tive problemas com relação à segurança”, conta Adriana, que costuma fazer compras online com bastante freqüência.

Para Aldilete Fantuci, o que torna a compra pela internet mais vantajosa é o fato de não precisar esperar em uma fila e a praticidade para quem não reside na mesma cidade onde acontecerá o evento. A farmacêutica, de 28 anos, já utilizou o serviço duas vezes, e recebeu os ingressos em casa. “Quando fiz a compra online pela primeira vez fiquei com um pouco de medo, mas, na segunda, foi mais tranqüilo, pois vi que o serviço dava certo”, diz.

Além de bilhetes para os cinemas, os joinvilenses ainda podem adquirir entradas para teatros, shows e exposições de arte. No entanto, na época em que se realizava a pesquisa para essa matéria, havia ingressos à venda apenas para o show da cantora Zélia Duncan, cadastrado no site do Ingresso Rápido, que vai acontecer no dia 16 de outubro na Harmonia Lyra. Outros sítios analisados, como o Ingresso Fácil, Ticketmaster e Ingresso Mais, sequer contam com o nome de Joinville na lista de busca pelos eventos.

Cardápios online é moda em restaurantes

É cada vez maior o número de lojas virtuais existentes na rede. Os acessos e as procuras por determinados produtos aumentam todos os dias. Mas o grande entrave está na interatividade com os consumidores. O auxílio do telefone ainda é presente em determinadas negociações. Telefone ainda é o mais usado para pedidos.

Valmor de Lima – valmorlimaster@gmail.com

A fome é grande e a preguiça do tamanho de um bonde. Sair em busca de algo para comer é coisa do passado. Hoje, com as novas tecnologias, o brasileiro pode, sem sair de casa, fazer reservas para shows, consultar a previsão do tempo, conferir o trânsito e comprar e vender o que bem quiser.

Em Joinville não é diferente no que se refere a comprar, pagar e degustar sem sair de casa. Com os sites de busca se pode encontrar o que quer para o almoço ou jantar. São inúmeras as opções de restaurantes e lancherias que contam com este serviço. Os cardápios e a forma de pagamento são variados. Se a opção é pagar com o cartão de crédito o leitor de cartão vai até você. São diversas as facilidades para mantê-lo online.

A dificuldade está na interação com o fornecedor na hora da compra. Comprar e pagar por um bom prato através da internet ainda é algo difícil aos consumidores. No máximo se pode encontrar o que quer consumir e depois disso, fazer o pedido via telefone. As empresas ligadas a gastronomia não disponibilizam cardápios virtuais, nem formas de pagamento e endereços para a entrega. Ainda está difícil utilizar apenas o teclado na hora do almoço ou jantar, o negócio é usar a boca. Veja aqui os opções de restaurante em Joinville.

Sites pesquisados: www.italiamassasepizzas.com.br e www.ofornao.com.br