12 milhões de blogs estão espalhados pela web

A ferramenta é disponibilizada gratuitamente e é um meio para que todos tenham acesso a publicação de conteúdos

Rafaela Mazzaro – fafa_mazzaro@hotmail.com

O weblog é uma ferramenta de publicação que tem suscitado discussões, principalmente na área de comunicação, devido ao seu poder de “dar voz” a qualquer usuário da internet. Gratuitamente, qualquer internauta pode ter o um blog e postar nele o que bem entender. A ferramenta é de fácil manuseio e em menos de 10 minutos pode-se criar um blog temático ou de conteúdo variado. Segundo o blogueiro e jornalista Carlos Castilho, são mais de 12 milhões de blogs espalhados pela web e diariamente são criados cerca de 175 mil.

O blog surgiu em 1997 para servir como uma espécie de diário online para internautas. O nome remete aos diários de bordo dos capitães de navios. Caracterizado pela organização de conteúdo – as postagens são separadas por data e cada novo texto é publicado no topo da página, acima do artigo mais recente da lista –, o modelo de blog que conhecemos hoje foi desenvolvido pelo americano Dave Winer.

O momento em que o blog foi percebido como um meio que revolucionaria a liberdade de expressão, de acordo com reportagem publicada na revista Superinteressante, foi com o ataque ao WTC, em Nova Iorque. O caos era tão grande que os meios tradicionais de comunicação entraram em colapso. Sites saiam fora do ar e no meio de tanta confusão era difícil levantar histórias. O blog surgiu neste contexto como a forma mais simples para que as pessoas contassem o que estava acontecendo nas imediações de suas casas.

Muitos blogs já possuem público fiel, porém, outros estão vagando pela rede e não dispõem de visibilidade suficiente para garantir sucesso entre os usuários, apesar de serem interessantes. Quatro integrantes da redação do Primeira Pauta Digital indicaram alguns blogs que merecem o acesso dos leitores.

http://gameoverthinker.blogspot.com/

“O blogueiro é genial. Ele tem uma visão crítica sobre a relação dos games com a mídia e a política”.  Pedro Leal.

http://crispimj.blogspot.com

“O autor, apesar de ser um estudante de engenharia, está sempre ligado no que sai na mídia. Ele comenta de tudo um pouco, desde novos produtos até música. Está sempre atualizado em todos os assuntos”. Daniela do Canto.

http://www.tatibernardi.com.br/

“A Tati escreve para várias revistas. Ela conta a sua vida amorosa de uma forma engraçada”. Rosimeri Back.

http://www.casadeparagens.blogspot.com/

“Gosto das poesias e das crônicas postadas. Leio regularmente”.
Alexandre Perger

Anúncios

A vida dentro do Twitter

A página que expõe muito em poucas palavras é fenômeno entre público e atua cada vez mais como forma de reunir notícias com rapidez

Cláudia Morriesen – clau.morriesen@gmail.com

“Vocês acham que eu devo pintar o cabelo”?
“Vou abrir uma cerveja”.
“Cabei de chegar, a festa foi legal”.
As mensagens acima seriam facilmente encontradas em conversas no messenger, entre amigos e por SMS. O local de publicação delas, no entanto, é mais público: o Twitter, uma rede social que permite que os usuários enviem mensagens pessoais contendo apenas texto de até 140 caracteres (ou seja, esta última frase já teria ultrapassado o limite em 41 caracteres).
Parece muito limitado para você? Pois saiba que o twitter já caiu no gosto dos jornalistas e vem sendo usado não só para mensagens de cunho pessoal. A eleição americana ganhou uma página especial no Twitter e foi atualizada diariamente, sem pausas, nas semanas que antecederam o pleito. No dia 04 de novembro, as mensagens enviadas para election.twitter.com eram atualizadas a cada segundo, por pessoas do mundo inteiro e chegou a ficar difícil ler as mensagens sem usar o “pause” na página. É claro que muitos textos eram descartáveis, como “Sonhei que conversava com Sean Connery sobre as chances de eleição do Obama” e “Por favor, Deus, faça Obama ganhar”. Outros, porém, traziam informações sobre as votações e, de um modo geral, as mensagens no Twitter comprovavam a liderança do candidato dos Democratas: a cada 10 tweets, quatro eram de afirmações “Acabei de votar em Obama” e “Estou na fila esperando para votar em Obama”.
Não era só na Election 2008 que as informações sobre a votação do novo presidente dos Estados Unidos chegavam pelo Twitter. O Jornal Diário Catarinense também tweetava com links para matérias da página on line da publicação. Este é outro fator que contribui para a rapidez e eficiência do Twitter: nele é possível unir várias informações ao mesmo tempo e servir como carona aos reais centros de informação. Você não pode usar o Twitter sem o TinyURL, site que diminui um endereço da internet em poucos caracteres.

Twitter Big Brother é só pra quem quer

O Twitter foi inaugurado em 2006 pela ObviusCorp, mas caiu no gosto popular e se tornou comum como o Orkut e os blogs no final de 2007. Foi quando o estudante Felipe Veiga, 22 anos, começou a usar o site. Ele descobriu o Twitter através do site webware.com, especializado em Web 2.0 e se cadastrou em 19 de dezembro de 2007. Desde então o Twitter faz parte da rotina de Felipe: ele usa o TwitterFox, extensão da página para o Firefox que notifica o usuário das atualizações e permite que atualize a própria página em poucos cliques.
Felipe procura atualizar o Twitter todos os dias, de preferência várias vezes por dia. “Uso mais à noite, mandando 3 a 4 tweets”, afirma. As mensagens geralmente são comentários ácidos sobre algum assunto atual, mas ele também usa o microblog para mensagens pessoais, replies (respostas ao tweet de alguém, quando é necessário apenas usar o @ e adicionar o nome do usuário no início da frase) e links, às vezes para o próprio blog, o vejaisso.com
Dono de um humor crítico, em menos de um ano como usuário do Twitter ele já identificou os diferentes “tipos de usuários” que a página recebe. Entre eles se destacam o Twitter Spam (usuário que envia links para a própria página o tempo todo – e somente isso) e o Twitter Frenético/Twitter Big Brother (aquele que leva a sério a pergunta What are you doing? e avisa o que está fazendo o dia inteiro).
Felipe afirma que deixa de seguir usuários que só mandam links, pessoas que não respondem replies, “metralhadores” de Tweets (aqueles que escrevem demais) e aqueles que nunca escrevem. Ele tem 271 followers (seguidores, que lêem as mensagens dele) e é follower de 115 usuários. As updates dele somam 899. Já o publicitário Eric Bauer, 24 anos, usuário do Twitter a quatro meses, já soma 956 updates. Ele segue apenas 40, mas é seguido por 138. “Escrevo todo dia, principalmente no horário de trabalho. Não há como negar que também funciona como uma válvula de escape, um canto para desabafar e gritar para alguém que esteja lendo ali, naquele momento”. Os tweets de Eric geralmente são de humor ácido e os desabafos no trabalho realmente não faltam: “Se o InDesign fosse uma pessoa, eu humilhava ele”.
Conheça mais sobre o Twitter em:

http://www.twitterbrasil.org/

http://www.vejaisso.com/2007/12/20/o-que-e-o-twitter-como-usar-e-como-responder/

O futuro do jornalismo está nas páginas da web?

Carlos Castilho prevê um amadurecimento da produção jornalística online e não acredita no fim dos jornais impressos

Tatiane Martins – thaty_martins@hotmail.com

A expansão da tecnologia permitiu que a plataforma digital conquistasse cada vez mais usuários. Para Carlos Castilhos, jornalista e pesquisador em mídia digital, esse sujeitos são atraídos pela possibilidade de conexão com pessoas e assuntos de qualquer parte do mundo. Por meio de um clique, o internauta começa a navegar nas páginas digitais e buscar nelas o que sua mente puder imaginar.

Mesmo com o desenvolvimento acelerado da Internet, o jornalismo online ainda não atingiu a qualidade desejável. Grande parte dos sites de notícias não tem redação própria e suas publicações ficam dependentes de agências e redações de jornais impressos. O pesquisador acredita que a produção jornalística para web ainda está engatinhando.

Castilho foi conferencista do Encontro de Professores de Jornalismo do Paraná e Santa Catarina, que ocorreu nos dias 17 e 18 de outubro no Bom Jesus/Ielusc. No evento, o jornalista falou sobre o futuro do jornalismo e sobre a influência da interatividade da internet nos demais meios de comunicação. Ele nos concedeu uma entrevista, falando um pouco mais sobre o assunto.
Acompanhe.

Editorial

Ambigüidade digital

Comunicar-se com os amigos e parentes mais distantes. Matar as saudades. Pagar as contas. Fazer negócios. Lançar pensamentos e idéias. Consultar dados. Informar-se. Entreter-se. Educar-se. Fazer campanha política. Passar o tempo, ou ganhar tempo? A internet está presente, cada dia mais e com maior participação na vida do brasileiro.

Através dela, a vida pode se tornar mais simples, prática e econômica, ainda mais agora com acesso mais democratizado e rumo ao acesso mais econômico e, quem sabe, gratuito – se vencermos as barreiras impostas pelas companhias telefônicas.

Se voltarmos o olhar para os aspectos positivos do acesso à internet e da forma como podemos utilizá-la em nosso dia a dia, a vida digital do joinvilense pode tornar-se muito mais econômica e prática. Basta um click, e um mundo de informações úteis estão à sua frente.

Em breve, a própria educação e os negócios poderão acontecer a partir do lar, como já é realidade para muitos brasileiros. Embora esta não seja a opção mais saudável ou agradável a todos, saber encontrar-se no mundo virtual é hoje, essencial para estar atualizado.

O joinvilense está, aos poucos, aprendendo a usufruir desses benefícios. Até as instituições de ensino estão se comunicando mais com seus alunos, pais, prospects e docentes, oferecendo informações úteis e educativas.

Apesar desta incrível jornada de descoberta das praticidades advindas da tecnologia virtual, não podemos deixar de questionar o quanto isso pode afetar o convívio pessoal e o desempenho social da comunidade, afinal de contas, à medida em que as crianças crescem cada vez mais familiarizadas com o computador e a conectividade da internet, mais os parques estão se extinguindo sem tocar a nossa percepção.. Afinal de contas, cada vez mais caminhamos para uma sociedade em que as áreas verdes e livres estão com falta de transeuntes, e na qual, a cada dia que passa, mais pessoas estão trabalhando em home offices, estudando em homeschools e, pedindo comida pela internet.

Observar nossos relacionamentos neste momento é fundamental para repensar os estilos de vida que estamos criando, pois o que nos traz a comodidade, precisa ser um braço para uma vida melhor e não um mecanismo que nos conduza a uma vida solitária e presa em sua virtualidade.

Venda de ingressos pela web não atrai joinvilenses

Internautas de Joinville ainda não se acostumaram com a compra online de ingressos

Eva Croll – eva.croll@gmail.com

Prática, cômoda, e ainda ajuda a garantir um lugar para conferir de perto aquele evento cultural que você tanto gosta. Assim é a venda de ingressos online, ferramenta que tem sido utilizada cada vez mais pelas empresas de entretenimento. Em Joinville, no entanto, quem aprecia cultura ainda não se sente completamente seguro em adquirir um ingresso através de um clique na tela do computador.

Das duas empresas que mantêm os cinemas da cidade, apenas uma oferece essa facilidade a seus clientes: a GNC Cinemas, do shopping Mueller, que tem parceria com a empresa Ingresso.com. A Arcoíris Cinemas, responsável pelas salas do shopping Cidade das Flores, ainda cogita essa possibilidade. Isso porque, segundo Mário Filho, auxiliar administrativo da Arcoíris, a demanda por esse serviço na cidade de Joinville não justificaria o investimento que terá que ser feito no site.

Para vender ingressos pela internet, a empresa precisa equipar o site com mais recursos de segurança, já que os clientes precisarão fornecer dados confidenciais, como números de contas e cartões de crédito. Além disso, haverá a taxa cobrada pelas operadoras desses cartões. Assim, a venda online acabaria aumentando o valor do ingresso. “É uma ferramenta interessante, tem muitas vantagens, mas são poucos os que usam”, argumenta. Dentre as vantagens, Mário destacou a possibilidade de a pessoa escolher a poltrona onde quer sentar. Mas, para isso, o cliente teria que desembolsar um pouco mais do que o preço cobrado nos postos de venda.

A Arcoíris Cinemas ainda não oferece esse serviço para nenhuma região em que possui salas de exibição. São cidades como Porto Alegre, Florianópolis e Fortaleza, onde há superlotação de sessões, que fazem a empresa cogitar a implantação desse serviço, esclarece Mário Filho. Não é o caso de Joinville, que apresenta um movimento baixo se comparado ao das capitais.

A empresária Adriana Cristina Kinas, de 38 anos, adora assistir a peças de teatro, shows musicais e apreciar exposições de arte. Por isso, ela costuma utilizar o site do Ingresso Rápido para ficar por dentro das atividades culturais que acontecem em Joinville. “Ainda não comprei ingressos pela internet, mas já adquiri livros e DVDs, e nunca tive problemas com relação à segurança”, conta Adriana, que costuma fazer compras online com bastante freqüência.

Para Aldilete Fantuci, o que torna a compra pela internet mais vantajosa é o fato de não precisar esperar em uma fila e a praticidade para quem não reside na mesma cidade onde acontecerá o evento. A farmacêutica, de 28 anos, já utilizou o serviço duas vezes, e recebeu os ingressos em casa. “Quando fiz a compra online pela primeira vez fiquei com um pouco de medo, mas, na segunda, foi mais tranqüilo, pois vi que o serviço dava certo”, diz.

Além de bilhetes para os cinemas, os joinvilenses ainda podem adquirir entradas para teatros, shows e exposições de arte. No entanto, na época em que se realizava a pesquisa para essa matéria, havia ingressos à venda apenas para o show da cantora Zélia Duncan, cadastrado no site do Ingresso Rápido, que vai acontecer no dia 16 de outubro na Harmonia Lyra. Outros sítios analisados, como o Ingresso Fácil, Ticketmaster e Ingresso Mais, sequer contam com o nome de Joinville na lista de busca pelos eventos.

Prefeitura de Joinville disponibiliza IPTU via Internet

O site possibilita a impressão de segunda via de carnê de IPTU e levantamento de débitos

Tiago Santos – tiagonsan@gmail.com

A prefeitura municipal de Joinville tem a disposição do contribuinte uma ferramenta que possibilita a impressão de segunda via de carnê de IPTU e consulta aos débitos tributários. O site levanta dados sobre o imóvel a partir do número da inscrição imobiliária. O serviço conta ainda com a possibilidade de acompanhar processos de revisão e isenção do imposto e alterar endereço de entrega.

O site está a disposição do contribuinte, mas muitos usuários alegam que os dados não são constantemente atualizados. Alguns funcionários da prefeitura não o indicam como uma fonte confiável para buscar informações sobre IPTU. Argumentam que a falta de atualização gera informações inconsistentes. Reparcelamentos e emissão de guias ainda é um serviço que não está disponível.

O sistema de banco de dados do município passa por um processo de transição desde junho de 2008. A Aporte, empresa vencedora da última licitação, prometeu instalar o sistema cem por cento operante em 36 meses. O prazo estourou no dia 30 de junho e muitos dados ainda são consultados através do sistema antigo, da empresa ISO Informática, de Blumenau

A previsão é de que, com o novo sistema, o contribuite possa interagir mais com as informações de IPTU pela internet, já que toda base de dados estará online.

Na página principal da prefeitura de Joinville, há um link para IPTU 2008. Lá existe um campo com espaço para entrar com a inscrição mobiliária de seu imóvel. Este número está disponível na capa de seu carnê de IPTU. Na próxima tela, existem várias opções onde o usuário pode navegar. As opções vão desde consulta de débitos atrasados até acompanhamento de processos de revisão e isenção.