Grupo de mulheres ameaça parar segurança pública em SC

Esposas dos policiais militares anunciam panelaço e manifestação nos principais batalhões da Polícia Militar. O movimento cobra do Governo do estado um reajuste para os militares, que não podem fazer greve

Everson Henningeverhenn@ig.com.br

As esposas dos policiais militares prometem fechar os quartéis da PM em todo o estado nos próximos dias. O movimento, organizado por um grupo de mulheres na capital, surgiu devido a uma limitação da profissão dos maridos: a Constituição Federal, em seu artigo 142, proíbe os militares de fazer greve. Os policiais militares, civis e agentes prisionais reclamam que estão há três anos sem negociação salarial. Segundo as associações de classe, o último aumento foi concedido em outubro de 2005.

O movimento das esposas age em sintonia com a Associação dos praças de Santa Catarina (APRASC), entidade que representa os soldados, cabos e sargentos da PM e do Bombeiro, e que também promete uma mobilização antes do início de dezembro. Sentindo a dificuldade de driblar as proibições e reunir uma grande número de policiais para a greve, a associação resolveu pedir ajuda às mulheres. “Elas também são parte interessada nessa luta por melhores salários. Quando a coisa aperta são as primeiras que sentem”, justifica Elisandro Lotin, vice-presidente da Aprasc.

Apesar de propor a mesma pauta de reivindicação que a Aprasc, o movimento se diz independente. “Vamos agir de forma autônoma, sozinhas, sem a ajuda dos esposos. Vamos inclusive decidir nossas próprias ações durante a paralisação”, afirma Lucita Costa Pereira, uma das coordenadoras do grupo. Em Joinville, a reunião do movimento das esposas está marcada para a próxima quinta-feira, dia 20. Questionada se a segurança pública na maior cidade do estado pode ser prejudicada, Lucita é direta: “Joinville é fundamental para o nosso objetivo. É a cidade do governador. Se não tiver negociação até o fim do mês vamos fazer a polícia de Joinville parar”.

A idéia de mulheres irem pra rua reclamar o salário dos esposos não foi inventada em SC. Em agosto, um movimento parecido deixou as principais cidades de Rondônia sem policiamento. A capital Porto Velho ficou 24 horas sem transporte coletivo, depois que as mulheres fecharam os acessos aos terminais. Com o slogan “não somos só esposas, somos companheiras”, o movimento, antes de vir para Joinville, vai tentar uma audiência com a primeira-dama do estado, Ivete Appel da Silveira, na manhã de quarta-feira. O reajuste pretendido pelos policiais chega a 45%, e está previsto na Lei 254, sancionada pelo governador Luiz Henrique em dezembro de 2003.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: